top of page

Programa NUPEHA Arquitetos Solidários em Saúde vai colaborar com a reconstrução no Rio Grande do Sul.

As recentes enchentes no Rio Grande do Sul mobilizaram uma resposta solidária em diversos setores. O NUPEHA como uma plataforma de conhecimento e inovação em arquitetura e saúde que reúne e integra profissionais e empresas das mais diversas áreas do conhecimento e da economia da saúde como capacitação e treinamento; design, projeto e construção; materiais, mobiliário e equipamentos; nutrição, reabilitação, diagnósticos e medicamentos; gestão e administração, entre outros, não está à margem desta corrente de apoio.


Junto com nossos parceiros de apoio, nossos membros e a validação do Conselho Consultivo NUPEHA, retomamos hoje, 10 de maio de 2024, o programa NUPEHA Arquitetos Solidários em Saúde, paralisado por falta de apoio logo após o fim da pandemia COVID 19. Nosso objetivo agora é contribuir com a reconstrução de lugares, instalações e comunidades afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.


Segue abaixo a descrição do programa NUPEHA Arquitetos Solidários em Saúde, de acordo com as adaptações acordadas em caráter de emergência junto a comissão de membros estabelecida de modo a procurar atender a causa atual.


Programa NUPEHA Arquitetos Solidários em Saúde

1. O Programa NUPEHA Arquitetos Solidários em Saúde tem como missão contribuir com comunidades, municípios e organizações assistenciais de saúde de caráter filantrópico, disponibilizando apoio profissional especializado em capacitação treinamento e orientação sobre arquitetura e saúde, na promoção de melhorias e otimização de espaços, ambientes e atividades nas mais diversas áreas de atividades assistenciais.

2. O Programa NUPEHA Arquitetos Solidários em Saúde , oferece suporte para os seguintes temas: Acessibilidade; Conforto Ambiental; Humanização; Segurança do Paciente; Mobilidade; Sustentabilidade; Regeneração Ambiental e Eficiência dos Espaços de Saúde.

3. Trata-se também da criação de oportunidade de desenvolvimento prático profissional, promoção de relacionamento institucional e inclusão profissional na economia de saúde.

4. O programa objetiva o desenvolvimento e o aperfeiçoamento profissional de arquitetos para o setor de saúde, bem como promover e ampliar a rede de profissionais capacitados e treinados em arquitetura e saúde, por meio de atuações profissionais solidárias.

5. Para participar do programa, tanto o estudante quanto o profissional devem estar cadastrados na plataforma, como membro e indicar uma das áreas de interesse da plataforma NUPEHA para atuar e responder.

6. O membro afiliado profissional ou estudante, deve ter sua ficha de inscrição aprovada pelo órgão de gestão administrativa da plataforma NUPEHA e o Conselho Consultivo liberar o seu cadastro no programa. Assim, estar apto a participar das atividades voluntárias de consultoria, assessoria, orientação e suporte técnico, participando em equipes, desenvolver projetos assistidos pelas COMISSÕES TÉCNICAS E INTERDISCIPLINARES DO PROGRAMA , monitorar e acompanhar a implantação de medidas em comunidades e organizações beneficiárias do programa, seja virtualmente ou presencialmente em sua região.

7. Municípios e Organizações Assistenciais de Saúde poderão ser indicadas como beneficiárias do programa por membros afiliados do NUPEHA em suas regiões e integrar por meio do programa, forças para uma série de ações coordenadas de ajuda às vítimas das enchentes.

8. Profissionais membros afiliados NUPEHA e cadastrados no PROGRAMA, ficam autorizados a visitar organizações assistenciais de sua região e apresentar o programa NUPEHA Arquitetos Solidários em Saúde, bem como indicar organizações e municípios como candidatas beneficiárias do programa em cidades afetadas pelas enchentes no Estado do Rio Grande do Sul.


Várias iniciativas de apoio já existem no setor e nossos membros estão comprometidos em muitas frentes, portanto, estabelecemos um plano de ação em três fases distintas, práticas e dinâmicas para que todos que desejarem possam colaborar:

1. Fase Inicial: Convocação de voluntários.

2. Fase Dois: Comunicar, contatar e informar organizações, municípios e órgãos afetados pelas enchentes, visando fornecer apoio para começar a traçar o futuro, reorganizar espaços, instalações e atividades para retomar a vida.

3. Fase Três: Trabalhar com treinamento e capacitação de pessoas com base em duas metodologias disponíveis no pacote de conhecimento de domínio do NUPEHA:

HDM - Healthcare Design Mobility | DFCR - Design for Conservation and Regeneration.


As cidades mais afetadas pela alta do nível das águas são as do Vale do Taquari, na região central do estado, e inclui municípios como Muçum, Encantado e Roca Sales.


Talvez algumas cidades tenham até que mudar de lugar, talvez tenham que se deslocar de áreas de situação de risco. Talvez seja melhor prevenir, tentando tirar infraestruturas públicas ou mesmo áreas residenciais de planícies de alagamento, margens de rios, faixas de proteção ciliar e áreas de cheias. Pode ser que seja necessário gerar mais espaço natural entre cidades e locais que podem ser invadidos pelas águas.


Convidamos todos a participar dessa iniciativa, seja através de apoio e patrocínio, seja atuando ou ajudando a divulgar. Juntos, podemos ajudar a reconstruir e a refazer a vida de muitas pessoas, famílias e comunidades. Para mais informações, acompanhem nossos canais de comunicação e redes sociais.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page