Buscar
  • Nupeha

A ARQUITETURA E O CORONAVÍRUS


Resorts de luxo, pequenas casas, trailers: como a arquitetura está se adaptando à era do coronavírus


Texto original de Nate Berg - 14/03/2020. Tradução por Marcos Cardone.

Pesquisa da Área de Estudo 12 - Estudos Avançados de Arquitetura de Saúde




Asilomar, um resort à beira-mar com edifícios da famosa arquiteta Julia Morgan, está sendo usado como local de quarentena. O mesmo acontece com um dos motéis EconoLodge fora de Seattle.


Um motel que foi comprado em 5 de março de 2020 pelo condado de King, em Washington, EUA, será requalificado e usado para colocar em quarentena pessoas expostas a novos coronavírus (COVID-19) em Kent, Washington, EUA.


Foto: Stephen Brashear / EPA- EFE / Shutterstock


Certa noite, no início de março, uma van branca entrou no estacionamento do motel EconoLodge na cidade de Kent, Washington, ao sul de Seattle. Um trabalhador estendeu um rolo comprido e começou a pintar a placa do motel de preto. Já não era um motel, o prédio estava começando uma nova vida como uma instalação de quarentena para pessoas expostas ao coronavírus e à doença que ele causa, o COVID-19.


O motel de 84 quartos, que estava no mercado há cerca de um mês, foi comprado por US $ 4 milhões alguns dias antes. As autoridades do condado de King o compraram para ajudar a lidar com o que se tornara a maior concentração de casos de COVID-19 do país. Um comunicado do escritório da King County Executive Dow Constantine disse que o motel era "o único local no mercado" que atendia aos requisitos físicos para conter a doença com segurança. Todos os seus quartos possuem piso de superfície dura de fácil limpeza, podem ser acessados ​​individualmente sem entrar em um corredor fechado e estão equipados com seu próprio equipamento HVAC que não compartilha o fluxo de ar com outros quartos. Para manter as pessoas infectadas separadas e tratáveis ​​sem ocupar um espaço hospitalar valioso, o motel ofereceu uma solução rápida.


O Condado de King está longe de ser o único a precisar adaptar espaços para responder aos desafios apresentados pelo coronavírus. Em outros pontos quentes do país - da Califórnia a Nova York - pacientes e pessoas expostas estão sendo tratados em bases militares e em outras instalações estatais, mas isso poderá se expandir em breve. Mike Cook, sócio do Innova Group, uma consultoria de planejamento em saúde, diz que hotéis, motéis e dormitórios escolares vagos são bons espaços candidatos. "Salas privadas com banheiros são as prioridades número um e número dois", diz ele. Os espaços também precisam de superfícies facilmente laváveis, ventilação que não espalhe aerossóis contagiosos e, para fins psicossociais, acesso à televisão ou à Internet para manter as pessoas entretidas ou ocupadas. "Colocar uma pessoa em um quarto por duas semanas, significa mais do que apenas monitorar a sua saúde.


A entrada para o hotel Asilomar e recinto da conferência. Foto: sgoodwin4813 / iStock.


Mais espaços de quarentena podem ser ativados em breve. Em 12 de março, o governador da Califórnia, Gavin Newsom, emitiu uma ordem executiva que autoriza a Agência Estadual de Saúde e Serviços Humanos e o Escritório de Serviços de Emergência a identificar e potencialmente requisitar hotéis, residências temporárias e instalações médicas adequadas para a quarentena e isolamento do COVID-19 e tratamento. Alguns já foram chamados à ação. Os passageiros de um navio de cruzeiro que relataram uma dúzia de casos de infecção estão atualmente sendo mantidos em isolamento no Asilomar Hotel and Conference Grounds, no oceano, no Condado de Monterey. Com quartos projetados pela famosa arquiteta californiana Julia Morgan, que custam mais de US $ 200 por noite, é uma zona de contenção aparentemente elegante, mas também é uma instalação pública do departamento de Parques Estaduais da Califórnia. Enquanto abriga passageiros do navio, todas as operações regulares em Asilomar foram suspensas até 13 de abril, com reembolsos oferecidos aos hóspedes afetados. Outros do navio foram enviados para quarentena de 14 dias em um hotel de propriedade privada em San Carlos, a meio caminho entre San Francisco e San Jose.


É provável que outros espaços não tradicionais sejam utilizados para quarentena e tratamento, de acordo com Juliet Rogers, presidente da Blue Cottage da Cannon Design, uma empresa global de arquitetura e design com um amplo portfólio de serviços de saúde. Rogers, que tem doutorado em saúde pública e anos de experiência trabalhando com centros médicos acadêmicos, diz que hospitais de todo o país estão começando a pensar além de seus limites físicos.


Asilomar tem estruturas da famosa arquiteta Julia Morgan. Foto: usuário do Flickr Dennis Jarvis.


“Muitos espaços estão sendo analisados. Podemos converter um hospital subutilizado no momento ou um hospital que foi transformado em um centro de atendimento ambulatorial? Podemos usar um hotel? Mas todos esses tipos de coisa foram usados ​​em diferentes situações em que tivemos um surto ao qual tivemos que responder".


À medida que o número de pessoas afetadas aumenta, as autoridades de saúde devem começar a considerar uma gama mais ampla de alternativas, argumenta ela. E isso não se limita apenas às quarentenas. Em um post recente em sua página no linkedIn, Rogers sugeriu que os hospitais criassem novas instalações de avaliação e tratamento, como drive-thrus no estilo fast food, onde as pessoas podem ser avaliadas sem sair de seus carros. Um comentarista recomendou o uso de lojas vagas em shoppings para triagem de pacientes. Outra proposta foi transformar grandes lojas vazias em instalações médicas.


Alguns lugares já estão começando a agir. Em Seattle, os esforços para proteger a população vulnerável de moradores de rua da cidade aceleraram os planos para uma pequena vila de 26 unidades no Distrito Central, com ocupação prevista para o final deste mês. E em San Francisco, outra cidade com uma população considerável de desabrigados em risco de infecção, as autoridades estão montando cerca de 30 veículos recreativos como moradias isoladas para pessoas expostas ao vírus que não precisam ser hospitalizadas.


Os profissionais de saúde também estão respondendo. Um site de teste de drive trhu capaz de lidar com até 500 pessoas por dia acaba de abrir em New Rochelle, Nova York, o centro do surto daquele estado. E a Universidade da Califórnia em San Francisco Health acaba de construir duas "unidades e atendimento acelerado" temporárias fora de um de seus hospitais, onde os médicos podem fazer a triagem de pacientes e separar os sintomáticos dos chamados "bem preocupados" - pessoas cautelosas que procuram cuidados que não precisam ' realmente não preciso. Cook diz que essa triagem e testes são um primeiro passo importante para lidar com uma pandemia. "Você precisa impedir que os números absolutos sobrecarreguem seu sistema de saúde", diz ele. Muitos lugares podem se qualificar para servir como zonas de quarentena, mas só serão úteis se soubermos quem precisa ser isolado.


Nate Berg é um jornalista de Los Angeles que cobre cidades, design e tecnologia. Ele já trabalhou na The Atlantic Cities, e seu trabalho foi publicado no The New York Times, Wired and Architect. tweets de @nate_berg


0 visualização
Núcleo de Pesquisa e Estudos Hospital Arquitetura
Tel.: 11 5584-5277
nupeha@hospitalarquitetura.com.br
© 2020 by cabewebdesign | Publicando
Ícones por: "Research" de monkik; "Smart City" de SBTS2018, "Business" by Freepik, mais em Noun Project and Flaticon.
  • Facebook