Buscar

O que podemos aprender com a resposta de Singapura ao COVID-19?

Como isso afeta a próxima geração de hospitais?


Por Maria Ionescu em 25/03/2020 - Pesquisa e tradução por Célia Bertazzoli.

Área de estudo 6 - Ambientes Seguros.


Em 2003, a pequena cidade-estado de Singapura foi uma das mais atingidas pela epidemia de SARS. Dos 238 casos, 33 pessoas perderam a vida - 40% eram profissionais de saúde. Isso deixou uma impressão profunda e duradoura, com Singapura tomando medidas sérias para se preparar melhor para "o próximo grande problema". A solução: estabelecer a condição do sistema de resposta a surtos de doenças (DORSCON), um plano nacional de prevenção e resposta. A estrutura codificada por cores do sistema mostra a situação atual da doença e fornece diretrizes gerais para prevenção e controle de infecção. Este plano foi testado nos últimos anos pelas epidemias MERS (62 suspeitas, todas negativas) e H1N1, com bons resultados.

Enquanto eu trabalhava como arquiteta da área de saúde em Singapura de 2016 a 2019, anos após a criação do DORSCON, o design e as operações do hospital continuavam sendo impactados pelo programa.


Singapura implementou a Condição do Sistema de Resposta a Surtos de Doenças após o surto de SARS no início dos anos 2000. Esse sistema afeta o design da área de saúde na cidade-estado.



A chave é intervir cedo e agir rápido, dos mais altos níveis do governo.


Assim que surgiram informações sobre casos suspeitos de pneumonia em Wuhan, China, no final de dezembro de 2019, Singapura começou a se preparar. Não apenas tinha um plano, mas o executou com precisão quase militar. No início de fevereiro deste ano, o país ativou o DORSCON Orange (segundo nível mais alto de alerta), que ainda está em vigor.

Várias agências internacionais de saúde pública, incluindo a Organização Mundial de Saúde (OMS), elogiaram o modelo de Singapura, alguns chamaram de "padrão ouro". Modelos semelhantes foram aplicados em Hong Kong, Taiwan e Coréia do Sul - todos os países que também foram fortemente afetados pelo SARS.

Vejamos como esses países implementaram com sucesso campanhas e atividades de conscientização pública para situações de crise de saúde em massa, incluindo a pandemia do COVID-19:


1. Comunicação clara, transparente e coordenada fornecida por todas as agências governamentais, como o Primeiro Ministro, Ministério da Saúde e muitos mais. As mensagens do governo nesses países têm sido consistentes e transparentes em relação à situação atual, próximas etapas e recuperação. Essa transparência cria confiança pública.


Campanhas de conscientização pública foram iniciadas imediatamente. Elas incluem mídias sociais, animações informativas direcionadas e mensagens explícitas sobre distanciamento social na imprensa.


2. O teste foi disponibilizado mais cedo, logo que possível, após o sequenciamento do genoma estar disponível. Testes extensivos são administrados em clínicas comunitárias (PHPC, clínica de saúde pública), e informações sobre onde ir e quais são as etapas disponíveis em sites criados para esse fim.


O processo funciona da seguinte maneira: se você tiver febre e outros sintomas semelhantes aos da gripe, visite um clínico geral, que administrará um teste. Você recebe um atestado médico de 5 dias e se auto isola em casa até que os resultados se tornem disponíveis (o prazo para receber os resultados agora foi reduzido para apenas questão de horas). Se positivo, mesmo com sintomas leves, você será levado ao hospital por uma ambulância. Separar as pessoas que dão positivo e mantê-las sob estrito isolamento - não em casa - é essencial, pois garante que não infectarão acidentalmente outras pessoas.

3. Rastreamento de contatos requer uma força-tarefa dedicada (mais de 100 investigadores, incluindo polícia e forças armadas). À medida que o número de casos COVID-19 aumenta, aumenta também a quantidade de dados. Em um discurso oficial à nação, o primeiro ministro de Singapura sugeriu que o alto volume de casos poderia ser um fator limitante da capacidade de rastrear contatos.


Dentro de semanas, Singapura tinha uma solução tecnológica para resolver as questões de volume, o aplicativo rastreador, lançado em 20 de março de 2020. Contatos assintomáticos, se considerados próximos, são ordenados a quarentena em casa. O controle é muito rigoroso. Ele aproveita a tecnologia já presente nos telefones celulares e é reforçado por verificações aleatórias pessoalmente para impedir que alguém saia de casa. As verificações de temperatura ocorrem regularmente na fronteira, nas escolas, nos prestadores de cuidados de saúde, etc. São aplicadas sanções severas para aqueles que tentam desconsiderar as políticas públicas, fazendo qualquer um pensar duas vezes antes de desobedecer.

A chave é intervir cedo e agir rápido, dos mais altos níveis do governo. Em seguida, teste, rastreamento de contatos, imposição de quarentenas e exigência de distanciamento social.

Essa abordagem disciplinada permitiu que a vida normal continuasse durante a pandemia do COVID-19 para aqueles que não apresentam sintomas. Mantém as pessoas fora dos hospitais e permite que as escolas permaneçam abertas (com restrições ao distanciamento e reuniões). Isso é notável, para uma cidade com uma população de quase 6 milhões de habitantes.


O que diferencia a abordagem de Singapura no mundo da saúde é a escala na qual eles estão dispostos a implementar e a quantidade significativa de recursos que estão dispostos a investir.


Lições aprendidas ao projetar instalações de saúde em Singapura Com a infraestrutura de resposta instalada, podemos projetar para apoiar essas atividades. Minha experiência em Singapura forneceu lições valiosas ao projetar espaços e instalações de saúde que podem responder rapidamente em tempos de crise. O primeiro projeto em que trabalhei foi o novo Departamento de Emergência do Bloco H9A, no campus do Hospital Geral de Singapura. O ponto central do resumo do projeto desde o primeiro dia foi "Não é se, mas quando" - considerando a campanha de conscientização pública do país para situações de crise que variam de problemas de saúde a ataques terroristas - apoiada pelo compromisso de abordar e implementar em todas as fases do projeto. Aprendi que a mesma abordagem se estendia a outras instalações na cidade-ilha, seguindo uma estratégia nacional bem definida.

Os aspectos de projetos mais importantes podem não ser novos para um profissional de design de saúde. No entanto, o que diferencia a abordagem de ingapura é a escala na qual eles estão dispostos a implementar e a quantidade significativa de recursos que a cidade está disposta a alocar para esses esforços.

Um exemplo de segmentação de fluxos de pacientes hospitalizados no caso de cenários de pico.


  • As instalações de assistência médica são projetadas com capacidade significativa de sobrecarga e para cenários complexos de sobrecarga. Por exemplo, o Departamento de Emergência do Bloco H9A do Hospital Geral de Singapura, com inauguração para 2023, foi projetado para também responder em caso de uma "crise nacional de saúde" - um incidente com vítimas em massa, pandemia ou exposição em massa a materiais perigosos que requerem uma estação de descontaminação hospitalar.


  • Uma característica dos cenários de surtos versus operações normais é a capacidade de segmentar os fluxos de pacientes antes que eles entrem nos departamentos de emergência. Isso é feito virtualizando ferramentas de auto-avaliação e consultas ou consultas não urgentes, utilizando espaço externo para triagem (estacionamentos, estruturas de estacionamento etc.) e dividindo o fluxo de pacientes febris (com febre) do restante população de pacientes - isolando-os posteriormente, conforme necessário.


  • Uma entrada separada para pacientes com febre é criada nesse cenário, levando a uma zona com quatro tipos de salas de isolamento (suítes de contato, positiva, negativa e de quarentena). A área pode tratar pacientes de alto risco enquanto permite que o restante do departamento continue as operações normais.


  • O design compartimentado tem a capacidade de isolar e bloquear o departamento de emergência por zonas identificadas quando necessário, impedindo a propagação de doenças infecciosas de alto risco para todo o pronto-socorro. As zonas tampão adequadamente pressurizadas separam os compartimentos e ajudam a garantir a não transferência de fluxo de ar contaminado.

  • Os sistemas de construção são projetados para suportar o funcionamento independente de compartimentos com redundância n + 1 ou n + n - sistemas que oferecem até 100% de redundância em unidades de tratamento de ar, energia e gases medicinais. Cenários de falha catastrófica são considerados como parte do resumo do projeto, impulsionando a tomada de decisão. Por exemplo: O que acontece se eu precisar desligar metade de qualquer compartimento para executar a limpeza do terminal? O que acontece se eu perder um compartimento inteiro?

  • A incorporação da capacidade de isolamento e ressuscitação por transbordamento também faz parte da abordagem do projeto. Os cubículos da Área de Cuidados Críticos são projetados com pressão negativa e podem lidar com a ressuscitação. Os cubículos são projetados como um espaço dedicado, limitado por paredes e portas de correr, para proporcionar mais privacidade ao paciente.

  • As áreas de trauma / ressuscitação são projetadas para suportar a ocupação dupla em um cenário de surto.

  • Os amplos espaços de suporte oferecem oportunidades para relatórios da equipe para turnos de trabalho em um cenário de surtos, bem como amplo armazenamento para os suprimentos e equipamentos necessários. As áreas de descanso da equipe podem ser criadas convertendo o espaço administrativo.


  • Os planos de contingência podem se expandir para além do departamento de emergência, para especialidades associadas como radiologia, UTI, UIPs etc.

Espero que, após a crise do COVID-19, a maneira como projetamos os espaços de saúde seja mudada para sempre. A Começar com a forma como implantamos o atendimento virtual. Além disso, veremos mais foco no projeto de instalações para resiliência e maior capacidade de resposta.

Saúde é uma preocupação global. Se queremos manter as pessoas seguras e salvar vidas, precisamos olhar para as crises que encontramos anteriormente para obter aprendizado e inspiração.




Maria Ionescu é arquiteta sênior de saúde da Stantec, com sede em Los Angeles, Califórnia. Crescendo na Romênia, Maria foi exposta a ambos os tipos de medicina ocidental e alternativa. Na Stantec, ela lidera o desenvolvimento de instalações de campus de saúde altamente integradas, que incluem jardins naturais, espaços pacíficos para múltiplos propósitos e uma variedade de profissionais diversos. É formada em arquitetura, homeopatia e ciências da saúde.



101 visualizações
Núcleo de Pesquisa e Estudos Hospital Arquitetura
Tel.: 11 5584-5277
nupeha@hospitalarquitetura.com.br
© 2020 by cabewebdesign | Publicando
Ícones por: "Research" de monkik; "Smart City" de SBTS2018, "Business" by Freepik, mais em Noun Project and Flaticon.
  • Facebook