Buscar
  • Nupeha

CORONAVÍRUS: ações drásticas recomendadas para evitar sobrecarga de cuidados críticos

Atualizado: Jul 23

Texto original de Christopher Cheney - 19/03/2020. Tradução por Marcos Cardone.

Pesquisa da Área de Estudo 12 - Estudos Avançados de Arquitetura de Saúde



Imagem publicada originalmente no site: www.healthleadersmedia.com/clinical-care/coronavirus-drastic-actions-recommended-avoid-critical-care-overload




Os esforços ideais de mitigação, que se concentram em retardar a disseminação do novo coronavírus, não evitarão que os recursos de cuidados críticos sejam sobrecarregados, diz um novo relatório.



PRINCIPAIS RESULTADOS


Se não houvesse ações de saúde pública e mudanças no comportamento individual, um novo relatório estima que 2,2 milhões de americanos morreriam na pandemia do COVID-19.

Se as ações de saúde pública para controlar a pandemia se limitarem a retardar a disseminação do COVID-19, o pico de demanda por leitos para cuidados intensivos ultrapassará em oito vezes a oferta, diz o relatório.


As ações para controlar a pandemia do COVID-19 precisarão ser mantidas por pelo menos 18 meses - o tempo necessário para desenvolver e distribuir uma vacina, diz o relatório. Um novo relatório sobre a nova pandemia de coronavírus (COVID-19) prevê que mesmo um cenário ideal de mitigação resultaria em até 1,2 milhão de mortes nos Estados Unidos.


Desde dezembro, o COVID-19 se espalhou da China para 166 países e territórios, com mais de 207.000 casos confirmados e mais de 8.600 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde. Em 19 de março, 9.477 casos haviam sido confirmados nos Estados Unidos, com 155 mortes, segundo o Worldometer.


A pandemia do COVID-19 é uma das emergências mais graves da saúde pública em um século, de acordo com o novo relatório, publicado esta semana pela equipe de resposta do Imperial College COVID-19 no Reino Unido. "O impacto global do COVID-19 foi profundo e a ameaça à saúde pública que ele representa é a mais grave observada em um vírus respiratório desde a pandemia de influenza H1N1 de 1918", diz o relatório.


Como linha de base, o relatório estima o impacto no número de vítimas e na demanda de serviços de saúde por não realizar ações de saúde pública e não fazer alterações de comportamento individual para controlar a pandemia do COVID-19: 81% da população dos EUA seria infectada. Durante a pandemia haveria 2,2 milhões de mortes nos Estados Unidos, "sem levar em conta os potenciais efeitos negativos dos sistemas de saúde que estão sobrecarregados com a mortalidade". O pico de demanda em UTI e outras capacidades de tratamento intensivo seria 30 vezes maior do que os recursos disponíveis nos EUA.



MITIGAÇÃO VS. SUPRESSÃO


Existem duas respostas primárias de saúde pública à pandemia do COVID-19: mitigação e supressão, diz o relatório. A mitigação procura retardar a propagação do novo coronavírus. A supressão procura reverter o crescimento da epidemia.


Com base na modelagem, o melhor cenário de mitigação envolveria uma combinação de isolamento de casos, quarentena residencial e distanciamento social de indivíduos com maior risco, como aqueles com mais de 70 anos. No entanto, haveria consequências terríveis, diz o relatório.


"Em combinação, prevê-se que esta estratégia de intervenção reduza em dois terços o pico de demanda de cuidados críticos e reduza pela metade o número de mortes. No entanto, esse cenário 'ideal' de mitigação ainda resultaria em um pico de demanda 8 vezes maior nos leitos de cuidados intensivos ao longo de dois terços. e acima da capacidade de pico disponível na [Grã-Bretanha] e nos [Estados Unidos] ".

Uma combinação de medidas de supressão seria a melhor estratégia para controlar a pandemia em países que poderiam sustentar o esforço necessário, diz o relatório.


"É necessária uma combinação de isolamento de casos, distanciamento social de toda a população e quarentena familiar ou fechamento de escolas e universidades. Presume-se que as medidas estejam em vigor por um período de 5 meses. Não levando em conta o potencial efeito adverso na capacidade da UTI devido ao absenteísmo, prevê-se que o fechamento de escolas e universidades seja mais eficaz na supressão do que a quarentena das famílias. Prevê-se que todas as quatro intervenções combinadas tenham o maior efeito na transmissão ".


Essa estratégia de supressão teria a maior probabilidade de manter o número de casos graves de COVID-19 dentro da capacidade de sobrecarga dos leitos de terapia intensiva, mas a implementação da estratégia seria assustadora, diz o relatório.


"O grande desafio da supressão é que esse tipo de pacote de intervenção intensivo - ou algo equivalente em termos de eficácia na redução da transmissão - precisará ser mantido até que uma vacina se torne disponível (potencialmente 18 meses ou mais) - desde que prevamos que a transmissão se recuperará rapidamente se as intervenções forem relaxadas ".



INTERPRETAÇÃO E REAÇÃO


O novo relatório é um alerta para as organizações de saúde, diz Chris DeRienzo, MD, MPP, diretor médico do sistema e vice-presidente sênior de qualidade da WakeMed Health & Hospitals, sediada em Raleigh, na Carolina do Norte.


"Essas projeções são realmente sérias. Reconhecendo que qualquer modelo vem com suposições que podem ou não se sustentar na vida real, esses resultados estão conduzindo adequadamente esforços maciços nos Estados Unidos para aumentar drasticamente a capacidade hospitalar e de cuidados intensivos", diz ele.

Quanto à pandemia do COVID-19 sobrecarregar os recursos de cuidados críticos, os hospitais dos EUA devem estar preparados para o pior, mas esperar pelo melhor, diz DeRienzo. "Sou realista e otimista por natureza - os médicos precisam ser. Para pedir emprestado a Jim Collins, precisamos enfrentar o fato brutal de que todas as evidências apontam para um tsunami de necessidades de cuidados intensivos. Ao mesmo tempo, também devemos manter uma fé inabalável em nossa capacidade de nos unir e enfrentar o desafio ". Há incerteza sobre quanto tempo os esforços de mitigação e supressão deverão ocorrer, diz ele.


"Ninguém viveu uma pandemia global dessa magnitude desde a gripe espanhola de 1918. Em tempos verdadeiramente sem precedentes para 99% das pessoas na Terra, não acredito que alguém possa dizer com certeza quanto tempo precisaremos para suportar a repressão e mitigação, se devemos salvar quantas vidas pudermos ".


Christopher Cheney - editor sênior de cuidados clínicos da Health Leaders.


17 visualizações
Núcleo de Pesquisa e Estudos Hospital Arquitetura
Tel.: 11 5584-5277
nupeha@hospitalarquitetura.com.br
© 2020 by cabewebdesign | Publicando
Ícones por: "Research" de monkik; "Smart City" de SBTS2018, "Business" by Freepik, mais em Noun Project and Flaticon.
  • Facebook